Únicos - Sl. 147:4

Julio Cesar • 09 de Junho de 2018

    Desde o princípio, o que Deus sempre buscou foi um povo que o expressasse e exercesse, na terra, a sua autoridade (Gn 1:26, 28). Após a queda do homem, os descendentes de Abraão, a saber, os israelitas, foram escolhidos e separados para esse propósito (Lv 20:24, 26); por terem eles, contudo, rejeitado o Senhor Jesus quando este esteve na terra como homem, foi aberta uma porta também aos gentios – isto é, aos não-judeus – de sorte que hoje, todos os que crerem (e receberem) a Cristo como Seu Rei e Salvador, tornam-se parte de uma “nação santa, povo de propriedade exclusiva de Deus” (2 Pe 2:9), a qual é a igreja.

    Ora, embora eu seja brasileiro, e seja parte deste país, quem está assentado na Presidência da República não me conhece, nem me vê, senão talvez somente como um dos seus 208 milhões de governados. Com o Senhor, todavia, não é assim. De fato, embora, ao olhar para a terra, Ele veja inicialmente o todo, Sua visão alcança também a cada um dos Seus integrantes. Posto noutros termos, o apóstolo Paulo revela que a igreja é o corpo de Cristo, e os que a compõem são, individualmente, membros desse Corpo (1 Co 12:27). Dessa forma, por um lado, não podemos ser imprudentes e agir como queremos, pois tudo o que fazemos se reflete na coletividade; por outro lado, não podemos nos esconder por detrás do “nós” e subestimar a nossa importância particular. E sobre esse segundo aspecto, gostaria de discorrer nesta crônica.

Nós somos bastante tendenciosos a olhar para o outro. Por vezes, por exemplo, oramos fervorosamente para que o Senhor nos conceda algum favor e, de repente, um irmão consegue aquilo que tanto queríamos. Ocorre também de cometermos alguma falha e sofrermos determinada repreensão, sendo que, quando uma irmã faz o mesmo, sobre ela pesa (aos nossos olhos), uma disciplina mais leve. Deus está sendo injusto? Certamente que não!

    Conforme dissemos acima, a visão do Senhor nos alcança não apenas coletivamente, mas também como membros individualizados do Corpo de Cristo. Cada um de nós é um ser único, seja biológica – prova é que nem mesmo gêmeos possuem a mesma impressão digital – social, emocional ou psicologicamente, e por isso a forma de se tratar não pode ser a mesma.

    Aliás, a própria Justiça humana, por mais falha e precária que seja, reconhece tal realidade. De fato, embora a nossa Lei Maior, isto é, a nossa Constituição Federal, traga a igualdade como um de seus maiores princípios, percebeu-se que ela não é atingida tratando a todos indistintamente de uma mesma maneira, como se espera, mas sim cuidando dos iguais igualmente, e dos desiguais, desigualmente, na medida das suas desigualdades.

    Deus conhece você, querido leitor! Antes que o mundo existisse, Ele já sabia quem você era (Gl 1:15); quando era ainda uma substância informe, quiçá antes mesmo de sua mãe saber que estava dentro dela, o Senhor já o sabia (Sl 139:16). E desde que você nasceu, Dele não escapa um só dos pensamentos do Seu coração (Sl 139:23).

    Dessa maneira, em todo o Universo, não há ninguém, nem mesmo os seus pais, que melhor saiba lidar com você do que o Senhor Jesus.

    C.S. Lewis, famoso pensador cristão americano, disse certa vez que Jesus não só morreu apenas pela raça humana como um todo considerada; antes, Ele deu a Sua vida por cada ser humano. Isso quer dizer que, se cada pessoa fosse a única criada, Cristo não teria feito menos do que fez. A prova que tal afirmação é verdadeira é que Jesus, em Lucas 15, compara-se a um pastor o qual teve uma de suas ovelhas perdidas; diante daquele cenário, Ele não a ignorou, ou sequer buscou outra para substituí-la, mas foi atrás daquele animal em particular.

    É por tudo isso que, ao experimentarmos situações de dificuldades, tristezas, tribulações ou disciplina, jamais podemos nos comparar aos outros. Por sermos únicos e diferentes, a maneira de Deus tratar com cada um também o será. Ora, se num corpo o olho está doente, não será dado a ele a mesma medicamentação do que se o pescoço o estivesse... A cura para o primeiro vem de uma forma, enquanto a do segundo, de outra. Ambos, porém, são importantíssimos e insubstituíveis. Isso é maravilhoso!

    A propósito, pelo fato de nossa relação com o Senhor ter esse caráter único, o meu desfrute com Ele será diferente de todos os outros. Dessa maneira, posso compartilhar da minha porção com um irmão, e este dividir comigo a sua, sendo ambos ajudados. E essa mútua cooperação não só aproveita aos dois, mas ao Corpo inteiro. Louvado seja o Senhor!

Últimas fotos