A mente ociosa e o pecado

Ingrid Oliveira • 9 de fevereiro de 2018

    Viver uma vida de santidade não é algo “fácil”, afinal surgem tentações de todos os lados quando se decide viver uma vida dedicada a Deus. No entanto, venho te encorajar: o segredo para permanecer firme é estar em comunhão constante com Deus.

    Talvez você me diga: “Eu oro todos os dias, desfruto, mas os meus pecados são ‘muito fortes’; é difícil demais, quando percebo, já os cometi.” Me deixa, então, te contar uma situação que a Bíblia relata:
 

    Certa vez, no tempo em que os reis costumavam sair para a guerra, Davi enviou a Joabe, seus servos e a todo Israel para a luta; ele mesmo, porém, resolveu ficar em Jerusalém e passeando pelo terraço da Casa Real, avistou Bate-Seba, uma mulher formosa. Davi mandou, então, que a trouxessem à sua presença e se deitou com ela. Um detalhe: Bate-Seba era casada com Urias, o qual estava entre os que saíram para a peleja.
 

    Após ter cometido esse pecado, aquela mulher engravidou e Davi, preocupado, arquitetou um plano para que o seu pecado passasse “desapercebido”: Resolveu chamar o marido dela e o mandou de volta para casa, na esperança de que este se deitasse com Bate-Seba e a ele fosse atribuída a paternidade da criança. O problema é que o coração de Urias estava na guerra:
 

    “Respondeu Urias a Davi: A arca, Israel e Judá ficam em tendas; Joabe, meu senhor, e os servos de meu senhor estão acampados ao ar livre; e hei de eu entrar na minha casa, para comer e beber e para me deitar com a minha mulher? Tão certo como tu vives e como vive a tua alma, não farei tal coisa.” (2 Sm 11:11).
 

    De fato, o foco de Urias era em estar com seus companheiros na luta. Um personagem que não tem tanto destaque na Bíblia mostrou, em sua aparição, um coração adequado diante daquelas circunstâncias.
 

    Davi, por sua vez, sobretudo pelo fato de ser o rei, deveria ter saído à guerra, lutado junto com os seus, mas não o fez. Antes, tendo pecado com Bate-Seba em razão de sua ociosidade, estava agora preocupado em esconder esse fato; e porquanto não conseguiu convencer Urias a se deitar com a esposa, recorreu a uma solução extrema (e terrível): ordenou que o marido de Bate-Seba retornasse à guerra e fosse posto na linha de frente, desprotegido, onde ficaria exposto aos ataques dos inimigos. O resultado não foi outro: Urias acabou morto e Davi tomou a esposa dele para si. “Porém isto que Davi fizera foi mal aos olhos do SENHOR” (2 Sm 11:27).
 

    E a reprovação de Deus quanto ao que rei fez tornou-se evidente no capítulo 12 de 2 Samuel, quando o profeta Natã entra em cena, e, utilizou-se do exemplo de uma cordeirinha que havia sido tomada de seu dono, um homem pobre, com o fim de expor situação de Davi. De fato, após ouvir a narrativa, o rei reprovou de maneira contundente a atitude da pessoa que tirou das mãos do homem pobre o animal, não se dando conta de que aquela era a sua própria história; ele mesmo cometeu o que agora dizia reprovar. Diante disso, Natã lhe exortou:
 

    “Por que, pois, desprezaste a palavra do SENHOR, fazendo o que era mau perante ele? A Urias, o heteu, feristes à espada; e a sua mulher tomastes por mulher (...) Agora, pois, não se apartará a espada jamais da tua casa, por quanto me desprezastes.” (2 Sm 12:9-10)
 

    Caro leitor, toca nessas palavras: “Por que desprezastes a palavra do SENHOR?” Eu fico pensando: como é que estava o coração de Deus diante daquilo? Todo o tempo Ele permanecia fiel a Davi, mas este, na primeira oportunidade, por estar ocioso, no lugar errado e na hora errada, pecou contra o Senhor e desprezou – isto é, não deu importância, desrespeitou – a Sua Palavra.
 

    Quantas vezes não nos acontece o mesmo? Ao invés de fugir da tentação, ou nem mesmo se colocar diante dela, nos deixamos levar, julgando ser fortes demais; ou então pensamos: “Eu sou jovem, preciso viver a vida agora; é normal fazer isso, todo mundo faz. Preciso saber como é, experimentar...”
 

    Amado leitor, como já diz o ditado: Não coloque a carroça na frente dos bois! É preciso ter sabedoria. Em Eclesiastes 3, vemos que há tempo de plantar e de colher, de maneira que, se você planta o pecado, colherá morte (Rm 6:23); de fato, os nossos pecados são o que fazem separação entre nós e Deus (Is 52:2).
 

    Há, todavia, uma esperança: o nosso Senhor é muito misericordioso!
 

    Lamentações 3:22 diz que as misericórdias do Senhor são a causa de não sermos consumidos, pois elas não têm fim, renovam-se a cada manhã! Grande é a fidelidade de Deus! Ele é compassivo, misericordioso, rico em bondade, detentor de toda sabedoria e, além disso, sabe nos perdoar, jogando fora todas as nossas angústias, aflições e descontentamentos...
 

    Sendo assim, caso você esteja numa situação assim, não perca mais tempo: volte-se ao Senhor, ore, se derrame aos Seus pés e confesse a Ele os pecados que cometeu, pois, fazendo assim, você dará a Deus espaço para que traga salvação e mudança à sua vida.
 

    E se algo te leva a pecar, se afaste disso! Para de ler, assistir ou encher a sua mente de coisas que somente te induzem ao erro. Corta o mal pela raiz! Você verá que, apesar da dificuldade, no fim, se sentirá mais leve e fortalecido. E isso não apenas pela sensação de não ter pecado, mas principalmente pela certeza de que você não entristeceu o Senhor, não O fez sentir que O desprezou, antes, que escolheu manter intacta a sua comunhão com Ele.

Últimas fotos