Igreja em Campina Grande
O Testemunho da Unidade do Corpo de Cristo nesta Cidade.
Horário das Reuniões: Terça-Feira - Reunião de Oração - 20:00Hs.  -  Quarta-Feira - Reunião de Grupo Familiar - 19:30Hs.  -  Sexta-Feira - Reunião dos Irmãos de Seviço - 19:30Hs.  -  Sábado - Reunião Ministérial da Palavra - 19:30Hs.  -  Domingo - Reunião do Partir do Pão - 17:00Hs.
| Inicio | O Que Cremos... | Perguntas e Respostas | Mensagens | Alimento Diário On-line |
| Expansão | Reuniões | Mensagens em Áudio | Programas de Rádio |
| Links | Fotos | Contate-nos | Literatura |
 
Menu
  Início
O Que Cremos
Perguntas
Mensagens
Expansão
Reuniões
Link
Áudio
Encargos
Programas Rádio
Alimento Diário
Contate-nos
Fotos e Vídeos
Radio Web
Downloads
Compartilhar
Literaturas
Palestras
Informativo
Agenda
Novidade
 
 

O Princípio de Orar Três Vezes

Deixando-os novamente, foi orar pela terceira vez, repetindo as mesmas palavras (Mt 26:44).


Por causa disto três vezes pedi ao Senhor que o afastasse de mim (2Co 12:8).

Há um segredo particular acerca da oração que devemos conhecer, isto é, orar três vezes ao Senhor. Esta “oração tríplice” não fica limitada a somente três vezes; pode ser feita muitas vezes. O Senhor Jesus implorou a Deus três vezes no jardim do Getsêmani até que sua oração foi ouvida — nesse ponto ele parou. Paulo também orou a Deus três vezes, e parou de orar quando recebeu a palavra de Deus. Daí que todas as orações devem obedecer ao princípio triplo. Esta “oração tríplice” não significa que precisados orar somente uma, duas e três vezes e então parar. Simplesmente significa que antes de pararmos devemos orar completa-mente por esse assunto até que Deus nos ouça.

Este princípio das três vezes é muitíssimo significante. Devemos prestar atenção a tal princípio não somente em nossa oração pessoal, mas também em nossas reuniões de oração. Se esperamos que nossa oração numa reunião cumpra o ministério da igreja em realizar o que quer que Deus deseja que façamos, devemos lembrar-nos desse princípio importante.
O princípio de orar três vezes é. orar completamente, orar até que saibamos com clareza a vontade de Deus, até obtermos sua resposta. Numa reunião de oração, nunca pense que por alguém já ter orado por um assunto este não mais necessita de minha oração. Por exemplo, certa irmã está doente e oramos por ela. Não é porque um irmão já orou por essa irmã que eu já não precise acrescentar a minha oração à dele. Não, esse irmão orou uma vez, eu devo orar a segunda vez e outra pessoa a terceira. Isso não implica que cada oração deva ser feita por três pessoas. A oração deve ser oferecida com fardo. As vezes precisamos de orar cinco ou dez vezes. O importante é que há necessidade de oração até que o fardo seja desfeito. Este é o princípio de orar três vezes. Este é o segredo do êxito de uma reunião de oração verdadeira e proveitosa.

Não permitamos que nossa oração salte ao derredor como um gafanhoto: pulando a outro assunto antes que o primeiro seja totalmente esgotado, e antes que o segundo assunto tenha recebido a atenção total, pois então nos encontramos de volta ao primeiro assunto. Tal oração saltitante não desfaz fardos, e, portanto, é difícil conseguir as respostas de Deus. Tal oração é de pouca utilidade e não preenche o ministério da oração.

A fim de preencher o ministério da oração devemos ter um fardo de oração perante Deus, Não pretendemos ditar leis; somente desejamos apresentar aqui este princípio. Reconheçamos isto: o fardo é o segredo da oração. Se a pessoa não sente dentro de si o fardo para orar por um assunto em particular, dificilmente terá êxito em oração. Numa reunião de oração alguns irmãos podem mencionar muitos pedidos de oração. Mas se você não for tocado interiormente, não pode orar. Portanto, cada irmão e irmã que yem a uma reunião de oração deve ter um fardo de oração a fim de orar.

Ao mesmo tempo não se absorva totalmente na consideração de que fardo você possui; deve também perceber o fardo dos outros irmãos e irmãs que estão na reunião. Por exemplo, uma irmã pode estar tendo problemas com o marido; outro irmão pode estar doente. Se na reunião de oração uma pessoa pede que Deus salve o marido dessa irmã, e é seguida por outra pessoa que pede que Deus cure a doença desse irmão, e por sua vez é seguida por outro indivíduo que lembra perante Deus algo mais, então cada pessoa está orando somente por seu assunto em particular. Tal oração não está de acordo com o princípio do orar três vezes. Pois no exemplo que acabamos de dar, o que está acontecendo é que antes que um assunto tenha sido total-mente esgotado, o segundo tópico já está sendo motivo de oração.

Conseqüentemente, numa reunião de oração os irmãos que se reuniram devem notar se um fardo de oração pelo primeiro assunto já foi desfeito. Se todos orarem por essa irmã e o fardo da oração for desfeito, os crentes podem então orar pelo irmão doente. Antes que o fardo da oração do primeiro tópico seja desfeito, os que estão orando juntos não devem mudar para o segundo ou o terceiro pedidos de oração. Suponha que o grupo inteiro ainda esteja envolvido em um assunto particular. Então ninguém presente deve tentar acrescentar oração que seja somente segundo seu próprio sentimento pessoal.

Os irmãos devem aprender a fazer contato com o espírito da reunião toda. Devem entrar no sentimento da assembléia. Percebamos que por alguns assuntos precisamos orar somente uma vez e o fardo é desfeito. Mas outros assuntos talvez necessitem de mais oração, ao passo que às vezes devemos orar três ou cinco vezes por outros assuntos antes que os diversos fardos sejam desfeitos. Sem levar em consideração o número de vezes, o fardo deve ser desfeito antes que a oração a respeito de certo item seja concluída. O princípio de orar três vezes não é nada mais que orar até que o fardo seja levantado.

Em tudo isto, é claro, os crentes devem também compreender a diferença entre a oração pessoal e a oração coletiva. Quando a pessoa está orando sozinha, pensa somente em seus fardos; mas na oração coletiva todos deviam notar o fardo da reunião em vez de prestar atenção aos seus próprios. Portanto, numa reunião de oração os irmãos devem aprender a perceber o sentimento da reunião, Para algumas coisas, orar uma vez é suficiente. Não há necessidade de orar outra vez, pois a assembléia não mais tem o fardo.

Mas por outras coisas, orar uma única vez não é o suficiente. Talvez precisemos orar outra vez, a terceira ou a quinta vez por esses assuntos. Antes que um fardo seja desfeito, ninguém deve começar a orar acerca de outro. Todos devem esperar que o primeiro fardo seja levantado; erigia alguém pode mudar para outro assunto à medida que o Senhor apresentar o fardo para oração.

De modo que na reunião de oração, aprendamos a orar por certo assunto permitindo que uma, duas, três ou cinco pessoas orem conforme necessário. Não no sentido de cada um fazer sua própria oração, mas orar de comum acordo enquanto nos reunimos. A oração de comum acordo é algo que devemos aprender. Certa pessoa pode ser capaz de orar por si mesma, cinco pessoas podem ser capazes de orar respectivamente, mas todos nós, quando nos reunimos devemos aprender um novo tipo de oração, que é a oração de comum acordo. Percebamos que a oração pública ou coletiva não vem automaticamente; deve ser aprendida.

“Se dois dentre vós, sobre a terra, concordarem a respeito de qualquer coisa que porventura pedirem, ser-lhes-á concedida por meu Pai que está nos céus” (Mt 18:19).

Isto não é algo insignificante. Devemos aprender a perceber o sentimento dos outros, aprender a tocar o que é chamado de oração da igreja, e aprender a discernir quando o fardo é levantado. Então saberemos como realizar o ministério da oração na reunião.
 

Versículo Para Ler e Orar

   
Copyright 2008 Igreja em Campina Grande. Todos os Direito Reservados
Ultima Atualização: sexta-feira, 07 de agosto de 2015 17:06:43